MS em Dia - Se depender só do marqueteiro, a nova Previdência já passou
Agenda | Poder360 | 13/02/2018 11h19

Se depender só do marqueteiro, a nova Previdência já passou

Compartilhe:

Na escala dos desatinos do poder, elogiar em público um desconhecido sem nenhum interesse é infração grave. É considerada ofensa aos princípios elementares da paparicação. Então, não considere estes comentários uma análise. É só um desatino mesmo: que belíssimas peças publicitárias foram feitas para a campanha da Previdência. Cirúrgicas no conteúdo, emblemáticas na forma.

Daqui a pouco vou falar mais sobre elas e sobre marqueteiros que vi ao longo da vida, mas faço esse destaque porque o ofício de marketing político de repente virou sinônimo de palavrão nestes tempos de criminalização de tudo e de todos. O mesmo acontece com as empreiteiras. Pois os dois anúncios da Previdência contém o que o marketing político pode ter de melhor: a tentativa de persuadir com argumentos e formas arrebatadoras. É como olhar uma ponte bem construída e bonita: se ela estiver no preço certo, olhar para ela e blasfemar contra as empreiteiras é um exagero de viés. Pois os dois comerciais são uma obra muito bem realizada.

No primeiro comercial, o marqueteiro que o criou usa o recall da simpática campanha do “posto Ipiranga” e repete os mesmos bordões, só que usando “o posto da Previdência”. Na campanha original do posto de gasolina, a ideia é mostrar que se pode encontrar de tudo no posto Ipiranga. Na peça de marketing da Previdência, essa mensagem massificada é usada para mostrar que pode-se encontrar todas as distorções e injustiças no “posto da Previdência”. Simples e matador.

Na segunda peça, há dois Joãos. Um que se aposentou pelo setor privado e outro pelo setor público. Eles têm o mesmo nome, a mesma idade e a mesma profissão. Mas porque se aposentaram por modelos diferentes, o resultado final sao dois Joãos totalmente desiguais. Nada mais preciso do que comparar dois iguais para ressaltar disparidades e o recurso do nome idêntico é um recurso que pertence a uma linguagem legítima e importante: sim, o marketing político ou marketing institucional.

Com a eclosão da pandemia de escândalos políticos e a abertura da caixa de Pandora do caixa dois eleitoral, os marqueteiros e o marketing político foram colocados no banco dos réus. É como se eles tivessem sido criados apenas para serem coadjuvantes de esquemas nebulosos das campanhas políticas. É verdade que a regra do jogo fazia com que muitos deles aceitassem receber pelo seu trabalho por vias nem sempre legais. Não se está aqui defendendo que o marketing político tenha de ser anistiado se erros aconteceram. Mas essa atividade é muito maior e mais ampla e não é sinônimo de cafajestagem, como comprovam as duas notáveis peças da campanha da previdência.

Acho que tive o privilégio de conhecer e conviver com todos os principais marqueteiros do meu tempo. E por mais que haja contra alguns hoje uma quantidade de documentos avassaladora sobre como receberam pelos seus serviços, ainda assim jamais aceitarei que a melhor alcunha que os resume é a palavra bandido.

Nizan Guanaes, que é tão marqueteiro que diz que não é nem nunca foi, esse eu vi criar coisas do arco da velha com a facilidade com que Garrincha driblava um beque na pequena área. Duda Mendonça, então, era medonho em seu auge. Fazia coisas que Deus duvida através de seus comerciais e foi, para todos os efeitos práticos, o criador dessa seita chamada marqueteiro profissional no Brasil.

A historia que mais gosto de contar de Duda é a sua primeira marquetagem. Ele era corretor de imóveis em Salvador. Havia duas torres de apartamentos encalhados e ele ganhou a primazia de vender. Na época, linhas de telefone eram artigos raros – e caros. As pessoas declaravam até no imposto de renda. O que fez Duda? Mexeu os pauzinhos e conseguiu linhas com a telefônica (então estatal) para cada apartamento. Dai, montou um stand enorme com a forma de um gigantesco telefone e fez a campanha: “o primeiro apartamento da Bahia que vem com telefone”. Vendeu todos os imóveis num fim de semana e descobriu que não era corretor, mas marqueteiro. As pessoas compravam o telefone e levavam o apartamento de brinde.

João Santana, seu discípulo e depois um mestre por seus próprios méritos, fez memoráveis peças de marketing para reeleger Lula e eleger Dilma duas vezes. Criou marcas para programas de governo, como o PAC, o Minha Casa Minha Vida, entre outros. Renato Pereira coordenou campanhas no Rio de Janeiro e venceu inúmeras eleições persuadindo um dos eleitorados mais conhecidos por seu aguçadíssimo espírito crítico. Isso porque estou falando dos nomes mais conhecidos do grande público.

Mas os novos talentos que estão brotando e já estão por aí possuem as mesmas credenciais fundamentais para o exercício da atividade e que aparecem em toda a sua plenitude nas peças da Previdência: a capacidade de encontrar uma forma exata e simples e casá-la com um conceito preciso. No caso da Previdência, o combate a um sistema que, hoje, permite injustiças, como a dos dois Joãos.

A Previdência pode ou não ser aprovada, claro. Essa é uma questão política, de mobilização das forças sociais. Mas não será derrotada por causa do marqueteiro. Assim como candidatos com excelentes campanhas na TV já perderam eleições. O marketing é apenas uma peça, importante sem dúvida, desse jogo. Mas não é a única.

Da mesma forma que os desmandos apontados pela Lava Jato não podem levar ao fim da política e sim a uma política sem esses desmandos, os problemas descobertos com o marketing político não podem servir para criminaliza-lo. Como mostra a campanha da Previdência, o debate público precisa de mentes capazes de criar mensagens que façam a sociedade refletir sobre temas por vezes complexos chegando ao âmago deles de forma atraente e capaz de fazer pensar. O nome disso é marketing. E isso não é crime.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS