Esportes | Fundesporte | 13/01/2020 08h30

Escola de Campo Grande desenvolve vôlei de praia

Compartilhe:

Não é exclusividade de cidades e estados litorâneos a prática de esportes de praia. Mato Grosso do Sul é um celeiro, revelador de atletas de vôlei de praia, por exemplo, que despontam em nível nacional e inclusive internacional. Entre os principais nomes da atualidade estão Talita Antunes, de Aquidauana; o campo-grandense Saymon Barbosa e Victória Lopes, de Ivinhema.

A Escola Estadual Dolor Ferreira de Andrade, localizada no bairro Maria Aparecida Pedrossian, na Região Leste de Campo Grande, oferece, desde julho de 2017, treinamentos de vôlei de praia, por meio do Programa MS Desporto Escolar (Prodesp), da Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte). A instituição de ensino atende cerca de 60 atletas, com treinos na Praça dos Amigos e procura dar continuidade à vocação sul-mato-grossense para a modalidade na areia.

Maurício Dantas é quem coordena os treinamentos e afirma que mais de 200 crianças e jovens, nas categorias sub-15 e sub-17, já tiveram aulas de 2017 para cá. Segundo ele, a comunidade abraçou tanto o voleibol de quadra, quanto o de areia. A escola, situada na principal rua do bairro, é presença constante em competições estaduais da Federação de Voleibol de Mato Grosso do Sul (FVMS) e Jogos Escolares da Juventude.

“O Dolor é o lugar onde trabalhei que mais deu certo, que consegui agregar atletas da região, do Maria Aparecida e bairros adjacentes, que se identificaram com o vôlei de praia e tive a oportunidade treiná-los com mais afinco por meio do Programa. Acho muito importante o trabalho da Fundesporte, porque a gente começa com o público da escola”, destaca Dantas.

Para o técnico, a “veia atlética” da instituição é incentivada pelos diretores Sérgio Lima Junior e José Luiz Lovato. “É um local que se identificou muito com o voleibol. Quando comecei em 2017, já havia um trabalho de vôlei de quadra, por meio da professora Vanessa Borges. Boa parte dos alunos de hoje já treinava com ela. É interessante observar que o público que não tinha tanto conhecimento da modalidade, passou a ter contato e acompanhar”, diz Dantas.

Como forma de aprimorar o treinamento aos estudantes-atletas, o programa da escola vinculou-se ao Grupo Areias da Esperança (Gae), projeto coordenado pela professora Lucirlene Oliveira. “Encerramos o ano de 2019 com treinos intensivos, revezando entre quadra e areia”, completa o técnico. Com a massificação dos treinamentos de coordenação, velocidade e força, os atletas do Dolor puderam participaram do Circuito Estadual Sub-18, Sub-21 e Adulto.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS