"/>
Rádio Corredor | Danilo Galvão | 11/03/2019 19h25

ATÉ ONDE VAI A PRESSÃO NA ENERGISA NA ALMS?

Compartilhe:

OUTRA JBS - Em 2017, depois de "ampla apuração", a Assembleia Legislaativa concluiu a Comissão Parlamentar de Inquérito da JBS, sem nenhum indiciado. A CPI criada depois de uma acusação dos irmãos Batista, de que, em Mato Grosso do Sul, a gigante da indústria da carne pagava propina a governos, terminou com efeitos discretos. Seria esse o destino de uma próxima investigação da Energisa no Estado?  

 

PESO PARA GAVETA -  Na época, a suspeita sobre três governadores, quando a possível colaboração para que a JBS burlasse a subvenção fiscal do Poder Público, se tornou apenas um relatório de 96 páginas da Casa de Leis, entregue depois para o Ministério Público Estadual e também encaminhado à Procuradoria Geral da República. Já a empresa, pelo fato de ser geradora de empregos, e de certa forma uma baita contribuinte à receita de MS, ficou só com a pressão do caso. 

AO TRABALHO - Em janeiro, a onda de pessoas reclamando da conta de luz exorbitante, levou parlamentares de Casas Legislativas Municipais e também deputados eleitos, ainda antes de começar a legislatura, para o "trabalho". Foi inevitável a chegada de queixas, por variações no valor de cobrança do serviço da Energisa, que extrapolou a média de outros janeiros, ou o estabelecido em dezembro de 2018. 

SCOOBY DOO - Na Assembleia, uma audiência pública debaterá o problema das contas que fugiram do padrão de alta. E o nome do evento., lembra muito o desenho Scooby Doo, título da Hanna-Barbera, voltado ao esclarecimento de mistérios: “Desvendando o Aumento e a Composição da Fatura de Energia Elétrica no Estado de Mato Grosso do Sul”. A reunião foi proposta pelo deputado estadual Barbosinha, do DEM.

#SEMANAIMPORTANTE - Na sextaa-feira, 15 de março, é comemorado, inusitadamente para a audiência, o Dia Internacional do Consumidor. No evento da terça-feira (12), às 18h, é aguardada na Casa a presença de pessoas ligadas ao setor elétrico e à defesa dos direitos do consumidor. Devem participar na reunião, representantes do Procon-MS, das concessionárias Energisa e Elektro, da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos (Agepan), do Ministério Público Estadual (MPMS), do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), do Conselho dos Consumidores de Energia da Área de Concessão da Energisa-MS (Concen) e da Secretaria de Estado de Cultura e Cidadania de Mato Grosso do Sul (Sedhast).

 

* Danilo Galvão, autor dessa da coluna é jornalista e também atua como consultor de estratégia empresarial

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS