Rádio Corredor | Da Redação | 07/02/2019 14h21

Definições na Assembleia e ameaças à vida de Mandetta no Rio de Janeiro

Compartilhe:

Sob perigo
A Abin (Agência Brasileira de Inteligência) detectou uma situação de risco possível ao ministro da Saúde, o médico Luiz Henrique Mandetta. De acordo com o alerta divulgado por agentes da corporação, a ameaça foi registrada no Hospital de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, por conta da contrariedade de milícias às mudanças que o Governo Bolsonaro pretende implementar. De acordo com uma fonte consultada pelo Jornal O Globo, os hospitais federais, até outro dia estariam em poder de milícias, no território fluminense.

Cavalo de pau
Uma das metas do ministro da Saúde, para os 100 primeiro dias de gestão, e que por sinal é mais prioritária, diz respeito a um "choque de gestão". A pasta, com Luiz Henrique Mandetta, que já foi secretário municipal em Campo Grande, está mapeando o funcionamento de todas as unidades da rede pública, além das que recebem verba federal. O pente-fino trata-se de uma ordem do presidente Jair Bolsonaro.

Patriota
Para a mais importante comissão temática da Assembleia Legislativa, foi escolhido como presidente o deputado Lídio Lopes, do Patriotas. Veterano de três legislaturas, a decisão pelo nome foi unânime entre os pares. Farão parte da CCJR, Comissão de Constituição, Justiça e Redação, do início desta legislatura os parlamentares Gerson Claro, João Henrique e Marçal Filho.

E porque é a mais importante?
Para ira ao plenário, ao última instância de análise de um projeto é a CCJR. Além dessa comissão há na Assembleia Legislativa outras 15 frentes temáticas permanentes de trabalho. Para a Corregedoria Parlamentar o escolhido dos edis foi o deputado estadual do MDB, Renato Câmara.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS