Rádio Corredor | Da Redação | 03/05/2018 09h28

E se o seu candidato fosse uma seleção da Copa?

Compartilhe:

Seleção de 1994

O governo de Reinaldo Azambuja no Estado, pelo pragmatismo e falta de brilho se assemelha para muitos à seleção brasileira de 94, campeã do mundo, mas sem o reconhecimento de outros times da amarelinha que sequer chegaram na final. O que não se pode negar, no entanto, é o mérito em terem protegido Mato Grosso do Sul frente a crise que assolou o país. O mistério fica por conta de se converter em votos a austeridade aplicada na busca por resultados nos últimos anos. A sensação mais clara é que a gestão tucana até tentou, mas ainda não "aconteceu". Se vencer, será nos pênaltis e caso alguem chutar para longe a glória, como fez Roberto Baggio.

Nunca subestime a Itália

Metáforas à parte, é inevitável a comparação de André Puccinelli e o MDB do Estado à "Squadra Azzurra". Mesmo questionada e longe do favoritismo, a seleção italiana já provou ter brio em momentos de superação. Foi assim que chegou na final em 1994 e assim que venceu a Copa de 1982, eliminando inclusive o time fantástico do Brasil daquele ano. Paolo Rossi, de forma implacável deu conta do recado. Já, em 1996, Puccinelli, em Campo Grande conseguiu uma façanha parecida.

Objetividade sem alarde

Odilon de Oliveira, líder das pesquisas para governador do Estado seria uma representação política, do que é no futebol a seleção alemã. Discreto, objetivo e regular, o juiz aposentado se apresenta como um adversário duro, principalmente pela eficácia com que lida com cenários. É o tipo de time que não dá show e não faz estardalhaço até quando goleia. O 7 a 1 de 2014 mostrou bem isso. Outro paralelo é a frieza que o pré-candidato do PDT herda da sua trajetória na magistratura.

Basta uma estrela

Nas história das Copas, apenas um campeão conseguiu a façanha do título contando somente com um craque. E não foi qualquer jogador, com qualquer circunstância. Depois da atuação abaixo do esperado em 1982, a Argentina de Maradona desafiou o mundo em 1986 e até deu o troco da Guerra das Malvinas com um jogo memorável contra os ingleses. Além de talento do 10, a resiliência do time comandado pelo Pibe D'Ouro permitiu a uma nação sofrida a redenção de dias difíceis. Zeca do PT, em um ano que o principal nome do seu partido foi preso por corrupção tentará um desafio dessa magnitude. Se tornar senador por Mato Grosso do Sul, e manter um importante espaço do Partido dos Trabalhadores, mesmo depois da Lava Jato. No Estado, ele é depois de muitos anos a única estrela, a única esperança de notabilidade da legenda.

Vitória de conceito

"A ESPANHA NÃO SE IMPORTA COM QUAL ADVERSÁRIO ELA JOGA. SÓ JOGA PARA GANHAR", destacou o técnico campeão da Copa de 2010, em desabafo às críticas quanto ao mérito da conquista inédita. Além do título, o time comandado por Luis Aragonés ganhou ganhou de maneira fiel a um estilo. Na política local, um dos players dessa campanha segue essa tendência: Nelsinho Trad.

Apesar das mudanças, e do amadurecimento, ele busca oxigenar o debate com o mesmo nível de atuação que se tornou prefeito de Campo Grande por dois mandatos. E, nesses ciclos, o voumento de trabalho foi impressionante: nada menos que o recorde de obras inauguradas na história da cidade. Nesse ano, o objetivo deve ser uma vaga no Senado Federal.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS