Agenda | Da Redação | 08/07/2018 06h00

Rádio corredor ligado

Compartilhe:

Rádio Corredor

Ainda dá tempo – E cada dia que passa, a ampulheta do Governo do Estado sinaliza para um tempo limite que deve estar preocupando Reinaldo Azambuja. O chefe do Executivo de Mato Grosso do Sul tem ainda os próximos dias para desistir da reeleição, algo que não seria tão absurdo se acontecesse. Tudo por conta do desempenho discreto do mandato.

 

Muita explicação – E o problema não é a falta de explicação. Desculpa é o que não sobra, tem a crise que o país atravessou, tem a dificuldade contemporânea para a gestão pública, a necessidade da política mudar e o mote de que todo o possível foi realizado. Mas será que foi? O sentimento popular passa longe de uma tolerância e grande aprovação ao governo tucano. Algum motivo deve ter.

 

Lá trás – A situação de Reinaldo Azambuja é inclusive algo que deve entrar para a história. Em todas as vezes que um governador de Mato Grosso do Sul buscou a reeleição conseguiu o objetivo, tendo que no máximo sofrer com um segundo turno. Neste ano, parece que isso não deve acontecer, e, se ele trocasse por uma candidatura ao Senado, conseguiria alguma glória ao escapar desse estigma.

 

Sombra – Um dos fatores que contribui a isso é o fato do principal concorrente do governador ser o homem que estava antes no cargo. Inclusive a comparação dos dois governos será o norte do MDB para conquistar o eleitorado e assim chegar ao segundo turno.

 

Um pé lá – Quem já está no segundo turno e mal começou na política é o Juiz Odilon, pré-candidato do PDT ao Governo do Estado. O desafio dele é fazer com que o pleito tenha uma etapa só. Será que conseguiria apoio da Sociedade para que a fatura seja liquidada antecipadamente?

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS